Espaço de textos, estudos, ensaios e opiniões do Pastor João Viegas

01
Jan 15

O que faremos com a Unção de Deus?

“…É bom conhecer a Bíblia, mas melhor é conhecer o Autor!...” (Pst. João Viegas)

 

“…E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção…” (Isaías 10:27)

 

Pelo 4.º ano consecutivo, o Senhor Deus colocou no meu coração dedicar o ano a algo que Ele pretenda para a Sua Igreja. Em 2012, foi o ano do quebrantamento, onde quebrantámos o nosso coração, caráter, ego, para deixar que a vontade de Deus fosse cumprida em nós, para que recuperássemos o Temor ao Senhor, a verdadeira humildade e dependência d’Ele. Em 2013, foi o ano da Fidelidade, onde nos comprometemos a sermos fieis a Deus, em todas as coisas, mas em especial no coração! Aprendemos que Deus recompensa a fidelidade do Seu povo! Em 2014, foi o ano da gratidão, onde aprendemos a sermos gratos a Deus, por tudo. E principalmente, gratos em avanço, como ato de Fé! Neste novo ano de 2015, será o ano da Unção de Deus! O Jugo será despedaçado! A carga será retirada! A doença será sarada! A pobreza será vencida! O perdido será salvo! Jesus será glorificado! Aleluia!

 

“…Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte, E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos, um para ti, um para Moisés, e um para Elias. E, estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu amado Filho, em quem me comprazo; escutai-o. E os discípulos, ouvindo isto, caíram sobre os seus rostos, e tiveram grande medo. E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Levantai-vos, e não tenhais medo. E, erguendo eles os olhos, ninguém viram senão unicamente a Jesus…” (Mateus 17:1 a 8)

 

A Unção de Deus é a essência de Deus, é o Seu perfume, é o que Ele é. A Unção de Deus manifesta-se tridimensionalmente: Na Palavra, pelo Espírito Santo e através do Amor verdadeiro! A Unção de Deus não é só Cura, libertação, prosperidade, mas acima de tudo Salvação e transformação! A Unção de Deus é a forma que Deus tem de se fazer presente, onde quer que Ele esteja. Poderemos senti-la, vê-la, ouvi-la, tomar porção dela para a nossa vida.

 

Quando a Bíblia fala de ungir, de derramar a Unção de Deus, na realidade isto significa esfregar (Os Pastores no médio Oriente esfregam as Ovelhas com azeite, para melhorar o pelo do rebanho e para afastar os insetos), afagar, massajar. No fundo, quando somos ungidos pelo Poder/ Presença de Deus, somos ‘esfregados’ com a essência de Deus, para afastar o pecado! Somos afagados com o Seu amor, que opera diferença e salvação! Somos massajados para suportarmos a responsabilidade que a Unção acarreta.

 

Nesta passagem que partilho convosco, vemos algo extraordinário: Jesus foi orar e logo a Unção se manifestou! O seu rosto brilhava, as suas roupas estavam translúcidas, significando que com a Unção de Deus em nós, somos transparentes a todos quantos nos rodeiam! Por isso muitos temem a Unção de Deus…

 

Agora, pergunto: quando é que sentimos a Unção de Deus? Quando é que sentimos o Seu Poder? Como? Será que é um calor? Arrepio? Temor? Um vento? A Unção é sobrenatural e está presente, mesmo que não sintamos! A Bíblia nos ensina que andamos pela Fé e não pelo que os olhos vêm! Andamos pelo sobrenatural e não pelo natural/ físico! Mas muitas vezes há manifestações físicas da Unção! Os discípulos sentiram temor… e nós, hoje? Será que reconhecemos a Unção quando sentimos o Amor de Deus? Ou o toque da mão de Jesus? E quando ouvimos a Sua voz? E quando lemos a Sua Palavra? Ou simplesmente falamos n’Ele e na Sua Palavra?

 

Umas vezes a Unção de Deus manifesta-se em sabedoria, conhecimento, capacidade, talento… Outras vezes será física… Cura, libertação, profecia, Línguas e interpretação… outras vezes com a perda de força nas pernas, onde nos prostramos totalmente na Sua presença… Mas na maior parte das vezes nem a sentimos… e ela está presente e opera poderosamente!

 

O derrame da Unção de Deus nunca nos fará fazer coisas indecorosas, ou que nos façam perder a dignidade, pois o nosso Deus é um Deus correto, digno, correto. E com isto, aproveito para ensinar alguns segredos: A Unção nunca nos fará ladrar, ou miar, ou imitar animais, ou rebolar no chão, ou gritar desenfreadamente ou imitar répteis, ou rir desmesuradamente ou agir desequilibradamente… Poderemos louvar, cantar, rir, pregar com ousadia, profetizar, agir nos dons do Espírito Santo, cair debaixo da Unção de Deus, dançar, ganhar ousadia, tomar autoridade, expulsar e repreender demónios, ministrar cura, salvação, fazer prodígios, maravilhas… mas tudo em Nome de Jesus e para a eterna Glória de Deus!

 

Nesta mesma Unção de Deus, Eliseu profetizou, Elias correu e clamou fogo do céu, Moisés abriu a mar vermelho, Abraão, Isaac e Jacob (Israel) formaram uma nação, Gedeão venceu os inimigos de Deus, Josafat enfrentou nações, Sansão derrotava os filisteus, David matou Golias, Samuel governava a nação, Jesus operou milagres, Pedro estabeleceu a Igreja, Paulo expandiu o evangelho, entre muitos outros… e você? E eu? Hoje eu pergunto…

 

O que faremos com a Unção de Deus?

O mesmo erro dos Discípulos, na passagem de Mateus? Tendas? Tabernáculos? Guardaremos a Unção em frasquinhos, ou paninhos, ou artefactos que nada valem e que em nada honram a Jesus? Há pessoas hoje, Ungidas por Deus, que fizeram dessa unção, algo sagrado em redor deles e não de Deus! Mas nenhum de nós resolve nada, nem opera nada, se não for Deus a dar o Poder! Até Jesus sabia este segredo:

 

“…Mas Jesus respondeu, e disse-lhes: Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente. (…) Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou…” (João 5:19 e 31)

 

E há pessoas que pensam que são elas que resolvem as coisas e não Deus! Mas é a Unção que é sagrada! E é por isso que quero-vos dizer: Se ouvirmos a Palavra errada, vamos estar debaixo dessa unção… se acreditarmos em mentiras, estaremos debaixo da ‘unção’ que nelas estiver… se andarmos à busca de artefactos, coisas, elementos, em vez de buscarmos a verdadeira fonte, que é Deus, através da oração e da Sua Palavra, estaremos a perder tempo e a desperdiçar o nosso vigor. Se acreditarmos nas mentiras do passado, ou no que nos ensinaram de errado, estaremos debaixo dessa unção, desse engano e dessa cegueira… A Unção de Deus não está em frascos de azeite, ou de água, ou pedaços da cruz de cristo, ou em panos, almofadas, lenços, roupa ungida, porque a Unção de Deus não está em coisas hoje. Com o Espírito Santo na terra como recetáculo eterno e infalível da Unção, tendo-O em nós, então a Unção estará em nós! Aleluia!

A UNÇÃO DE DEUS ESTÁ EM SI E EM MIM! Glória a Deus! Aleluia!

 

 Caminhando na Unção de Deus!

“…Sucedeu que, quando o SENHOR estava para elevar a Elias num redemoinho ao céu, Elias partiu de Gilgal com Eliseu. E disse Elias a Eliseu: Fica-te aqui, porque o Senhor me enviou a Betel. Porém Eliseu disse: Vive o Senhor, e vive a tua alma, que não te deixarei. E assim foram a Betel. Então os filhos dos profetas que estavam em Betel saíram ao encontro de Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor por sobre a tua cabeça? E ele disse: Também eu bem o sei; calai-vos. E Elias lhe disse: Eliseu, fica-te aqui, porque o Senhor me enviou a Jericó. Porém ele disse: Vive o Senhor, e vive a tua alma, que não te deixarei. E assim foram a Jericó. Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor por sobre a tua cabeça? E ele disse: Também eu bem o sei; calai-vos. E Elias disse: Fica-te aqui, porque o Senhor me enviou ao Jordão. Mas ele disse: Vive o Senhor, e vive a tua alma, que não te deixarei. E assim ambos foram juntos…” (II Reis 2:1 a 6)

 

Gostaria de vos mostrar 4 níveis da Unção de Deus, ou 4 Lugares que encontramos na nossa caminhada com Deus, que representam 4 estágios da Unção de Deus em nós e que estão nesta passagem de II Reis:

1 – GILGAL (Josué 5:9 a 12) – O Mundo é vencido com a Unção de Deus – A Unção torna-se constante em nós, no dia-a-dia, parte integrante da nossa vida. Largamos o ‘velho eu’, o pecado e o passado e abraçamos uma nova vida em Cristo. Foi neste lugar que isto aconteceu pela primeira vez, com o povo de Deus liderado por Josué. O Povo tem um encontro real com Deus, para transformação.

2 – BETEL (Génesis 28:12 a 22) – A ‘carne’ é vencida, a velha natureza enganadora, mentirosa e falsa é substituída por uma nova identidade, acontecendo um milagre tremendo: a Unção restaura-nos e dá-nos a oportunidade de mudarmos o rumo da nossa vida. Aqui, Jacob tem um encontro real com Deus para restauração, onde até o nome lhe foi mudado! A Unção restaura-nos para Deus!

3 – JERICÓ (Josué 5:13 a 15) – No meio da batalha, vem a promessa de Deus. Antes de enfrentar um inimigo impossível de conquistar, Josué tem um encontro real com Deus, de forma sobrenatural. Deus ajuda-o a subir de nível, a deixar de ver com os seus olhos e ensina-o a ver com os olhos de Deus! A Unção garante-nos a vitória!

4 – RIO JORDÃO(Lucas 3:21 e 22) – O Lugar de Visão, Fé e Esperança… O povo de Israel atravessou-o para simbolizar a mudança de paradigma… Elias e Eliseu atravessaram-no para mudança de ministério… Jesus mergulhou nele, para tomada de posse da Unção de Deus… Aqui, Jesus tem um encontro real com Deus-Pai, para ser Ungido! Para tomar posse da chamada, do ministério. Para uma mudança de perspetiva… A Unção faz-nos ver mais longe!

 

Termino este estudo, exortando-vos a buscarem a Deus, a orarem todos os dias, a lerem a Bíblia todos os dias, a louvarem o Seu grande Nome, para que seja derramada em nós a Unção de Deus, para vencermos o mundo, o pecado, a morte, o inferno! Para que Deus se use de nós… para curarmos em Nome de Jesus… para libertarmos em Nome de Jesus… Amén?

 

Deus quer derramar a Sua Unção sobre nós, para podermos ser mais parecidos com Ele e podermos fazer as mesmas coisas que Ele fez e até ainda maiores! Aleluia!

 

“…E há-de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito…” (Joel 2:28 e 29)

 

Deus abençoe!

Pst. João Viegas

publicado por Jv às 01:07

01
Jan 14

Gratidão a Deus

“...E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passava pela divisa entre a Samária e a Galiléia. Ao entrar em certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos, os quais pararam de longe, e levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem compaixão de nós! Ele, logo que os viu, disse-lhes: Ide, e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, enquanto iam, ficaram limpos. Um deles, vendo que fora curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, dando-lhe graças; e este era samaritano. Perguntou, pois, Jesus: Não foram limpos os dez? E os nove, onde estão? Não se achou quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou...” (Lucas 17:11 a 19)

 

 Há algo que se tem vindo a perder na Igreja, no Corpo de Cristo em geral: Gratidão a Deus! Hoje em dia vemos Fé, conhecimento, pregação, louvores e adoração, técnica, show, muita emoção à flor da pele… mas vê-se pouca gratidão, pouca adoração verdadeira e pouca rendição a Deus… Já Jesus dizia que andava em busca dos que O adorem em Espírito e em Verdade...

 

Hoje todos sabem andar pela Fé, todos sabem fazer a 4.ª dimensão, através da confissão e possessão, todos sabem alcançar o que mais pretendem, o que mais amam, o que verdadeiramente almejam nesta vida… mas vê-se poucos a serem gratos de coração, mesmo entre irmãos, mesmo entre ministérios e pastores. Há honra (entre ‘profetas’), exigência, arrogância, obrigações, proibições, mas não se vê que se acenda uma luz para relançar a verdade da Palavra e explicar ao povo de Deus, que tudo provém da Graça…

 

Muitos de nós éramos como os leprosos que se aproximaram de Jesus: sempre estivemos de longe… nunca tivemos interesse de nos envolvermos mais, de nos aproximarmos mais do criador, de O buscarmos, de O amarmos, de O servirmos, porque não queremos investir o nosso tempo em Deus e na Igreja, nem queremos sentir que dependemos d’Ele, ou que afinal de contas, sempre dependemos d’Ele, em toda a nossa vida… Sempre nos achámos autossuficientes, nunca nos habituámos a pedir ajuda, nunca pedimos oração…

 

E aí, entra a passagem que lemos no início… a falta de gratidão é como a falta de higiene e de uma alimentação saudável: conduz-nos à doença. E nesta passagem, a doença retratada foi a lepra. A lepra pode representar muita coisa a nível espiritual. Pode representar a ingratidão, a rebelião, a desobediência, a obstinação, a falta de pureza… mas a nível físico era uma doença que lentamente conduzia à morte. Hoje está erradicada e tem cura, mas na altura não tinha.

 

Assim, a lepra pode significar que estamos com o caráter errado na nossa vida, como aconteceu com o General Naamã (II Reis 5:1 a 27), que achando-se alguém superior e importante, ia desperdiçando a oportunidade de ficar sarado, pelo poder de Deus através do Profeta Eliseu, só porque a forma como Deus indicou a cura dele era desprestigiante (7 mergulhos no lamacento Rio Jordão).

 

A lepra também pode significar rebelião contra os nossos Pastores, Patrões, Pais, autoridades, tal como nos relata o caso de Miriam, profetiza, sacerdotisa e irmã de Moisés (Números 12:1 a 15), que se insurgiu contra o próprio irmão, por este estar casado com uma mulher estrangeira (algo proibido pela Lei, instituída posteriormente). O problema não estava em Miriam falar a situação, mas sim por colocar a autoridade e posição de Moisés emCausa e por sua vez colocar em causa a escolha de Deus para liderar a nação que se estava a formar.

 

A lepra pode ainda significar ganância ou desejo pelo que não foi Deus que deu, tal como aconteceu com Geazi, moço do Profeta Eliseu (II Reis 5:1 a 27), na sequência da cura do General Naamã. Eliseu não aceitou nenhuma oferta ou prenda de Naamã, para lhe mostrar que Deus opera por misericórdia e amor e não pela riqueza pessoal de cada um, mas Geazi acabou por se deixar enganar pelas riquezas, mentindo e enganando e assim trazendo grande desgraça para ele e para a sua descendência.

 

A lepra também pode significar que achamos já não precisamos de frequentar a Igreja, ou da ajuda do Pastor, ou até de Deus, conforme aconteceu com o Rei Uzias (II Crónicas 26:16 a 21), onde devido à importância que este garantiu pelos seus feitos e até pela sua obediência inicial a Deus, achou que para além de Rei, também poderia ser sacerdote e entrou no templo para queimar incenso ao Senhor, acabando em desgraça e morrendo pelo erro cometido sem se ter arrependido do mesmo.

 

Por fim, a lepra pode significar que precisamos sempre de batalhar contra a nossa própria natureza limitadora e pequena, humana e frágil, tal como Deus mostrou a Moisés, no encontro real que este teve com o Todo-o-Poderoso (Êxodo 4:1 e 6 a 8), onde Deus lhe deu a missão, a chamada e Moisés via-se a si mesmo pelos olhos da idade que tinha já (80 anos), pela falta de capacidade que achava em si. Essa luta, quando inexistente e quando aceitamos as nossas limitações, gera lepra na natureza implantada por Deus, em nós, através da Palavra. Deus espera que nós, apesar de humanos, falhos e limitados, olhemos para Ele e aceitemos a Sua Natureza em nós, o Seu Poder que nos aperfeiçoa e nos torna invencíveis e a Sua Palavra que nos faz fortes, robustos e sábios.

 

No caso destes leprosos que se aproximaram de Jesus, Ele mandou-os cumprir a Palavra (irem ao sacerdote)… e quando o fizeram, imediatamente ficaram sãos. A Palavra é a cura para a lepra na nossa vida! A Obediência à Palavra de Deus! Mas por amor! Por querer! E a diferença que temos de viver é que depois ao sentirmos a cura na nossa vida, possamos ser como o leproso que voltou para adorar a Jesus: gratos! E quando o somos a Deus, estamos a demonstrar que sabemos o que é o verdadeiro significado da Graça em nós, que temos a nossa Fé fundamentada nessa mesma Graça de Deus e que por isso Lhe somos gratos! (Hebreus 11:6)

 

Para terminar este estudo, falta a pergunta: Qual o preço para sermos gratos a Deus?

O preço é afastar-nos do pecado… da maldade… da inveja… do ciúme… da crítica… acabar com a murmuração… com a acusação… com o apontar do dedo (Isaías 58:6 a 11)… vivermos uma vida de amor e em amor… em perdão! (Colossenses 3:12 a 15)Ou seja, mudar a nossa vida! Aproveitar o início deste novo ano e dar a volta que precisamos para sermos diferentes e fazermos a diferença!

 

Tome essa decisão hoje mesmo, sele isso no seu coração com oração ao Senhor e entre numa vida sã com Deus, livre da lepra e da ingratidão na sua vida, na sua casa, na sua família e na sua descendência.

Deus abençoe!

Pst. João Viegas

 

publicado por Jv às 01:04

mais sobre mim
Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


arquivos
pesquisar